Full width home advertisement

Segurança Pública

Armamento e Tiro

Saúde

Ocorrências

Post Page Advertisement [Top]

Major da PM será o novo Ministro da Justiça e Segurança Pública


O advogado e major da reserva da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), Jorge Antônio de Oliveira Francisco, é o novo ministro da Justiça. 

A informação foi confirmada com exclusividade pela CNN Brasil, na manhã deste domingo (26). Segundo a analista de política Basília Rodrigues, da CNN, fontes do Planalto revelam que se fez valer a vontade do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na nomeação do substituto de Moro. 

Concluiu o ensino médio no Colégio Militar de Brasília, em 1992, e ingressou na Polícia Militar do Distrito Federal em 1993 e chegou ao posto de major, passando para a reserva em 2013, quando iniciou a atuação como advogado. Trabalhou de 2003 a 2018 no Congresso Nacional. Foi assessor parlamentar da Polícia Militar do Distrito Federal, assessor jurídico de Jair Bolsonaro quando era deputado federal, e também assessor jurídico e chefe de gabinete do deputado federal Eduardo Bolsonaro. 

Por conta disso, Jorge é próximo da família Bolsonaro, com quem trabalha há mais de 15 anos. Em 1º de janeiro de 2019, assumiu a subchefia de Assuntos Jurídicos da Casa Civil da Presidência da República no governo Bolsonaro. Depois, em 21 de junho de 2019, foi nomeado pelo presidente como ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República — substituindo o general de divisão do Exército Brasileiro, Floriano Peixoto Vieira Neto, que deixou o cargo para assumir a presidência dos Correios.

Jorge Antônio de Oliveira Francisco era Subchefe Interino da Subchefia para Assuntos Jurídicos que exarou parecer desconhecendo como Órgão de Segurança Publica às Guardas Municipais. 

2 comentários:

  1. Enquanto os Guardas Municipais, não se unirem nacionalmente de modo a cobrarem dos legislativos e executivos municipais para que haja uma política pública de Segurança Publica nos seus municipios, para que as Guardas Municipais sejam de Estado e não de governo os Guardas serão considerados o que aparentam: uma Guarda Pretoriana de cada prefeito destinada a cumprir suas ordens e decretos e não é lei, a exemplo das atuações arbitrárias desses mesmos GCMs, no controle da Pandemia Covid 19, cumprindo decretos ao arremedo da lei!

    ResponderExcluir
  2. Só para lembrar: Jorge Antônio de Oliveira Francisco era Subchefe Interino da Subchefia para Assuntos Jurídicos que exarou parecer desconhecendo como Órgão de Segurança Publica às Guardas Municipais.

    ResponderExcluir

Bottom Ad [Post Page]

| Designed by AZUL MARINHO NEWS